Retalhos de Gilda

Escrever é um vício.

Textos

A QUEM O GOVERNO QUER ENGANAR?
A QUEM O GOVERNO QUER ENGANAR?

A presidente Dilma foi eleita, com a promessa, de seu antecessor e padrinho, de que ela seria uma administradora melhor do que ele, pai do povo. O “fome zero”, o programa inicial do governo Lula. foi perfeito para induzir o presidente Obama, ironicamente, afirmar que “Lula era o cara”. As classes A, B e C entenderam o “ironicamente” acima. O povão pensou que agora o brasileiro teria o padrão de vida dos americanos, todos teriam seu carro e sua casa, talvez com três dormitórios, para uma família de dez pessoas. De fato, o argumento, na época das eleições, convenceu muita gente, tanto que, apesar de ser no segundo turno, ela se tornou presidente do Brasil.
Tudo isso acima  é fato e estou só refrescando a memória para comentar o que vem a seguir. Dois anos depois de assumir o poder da república, com os ecos, do governo populista, mais fracos; com o julgamento inacabado do mensalão, no ano passado, as peças começaram a se desajustar no xadrez (no bom sentido) da política. A quantidade de ministérios criados é recorde (39); os “mal-feitos” em cascata, começaram a aparecer e ministros tiveram que ser trocados; as viagens nos jatos da FAB eram distribuídas, não para o exercício de um mandato, mas para irem a casamentos e jogos de futebol. Os mensaleiros condenados ainda permanecem em seus cargos no Congresso. Um deles, que não tinha sido eleito por São Paulo, toma posse no lugar de outro que se tornou prefeito. Dois novos ministros do STF foram sabatinados pelo Senado Federal e tomaram posse no lugar dos que tinham se aposentado, compulsoriamente, ao atingirem setenta anos de idade, embora estivessem com a plenitude de suas faculdades mentais e físicas. Ninguém mais fala em terminar o julgamento e mandar os condenados para a cadeia. A inflação começou a subir rapidamente, pela primeira vez depois da implantação do plano real; o tomate atingiu os píncaros ao custar R$ 15,00 o quilo. Quando chegou a hora de majorar o preço das passagens de ônibus, embora o aumento  fosse de apenas vinte centavos, isto se tornou a gota d’água em um copo cheio. O POVO FOI PARA AS RUAS, EM VÁRIAS CIDADES, POR TODO O BRASIL! Um milhão e trezentas mil pessoas protestaram contra a falta de professores nas escolas, bem como de carteiras para os alunos (cartazes clamando pela EDUCAÇÃO). Hospitais completamente sucateados, com aparelhos novos, de última geração, ainda envolvidos na embalagem original, se estragando, sem serem instalados (cartazes pedindo por SAÚDE PÚBLICA). Medicamentos, alimentos e doações para os flagelados das enchentes de 2011, estocados, sem serem entregues a quem estava sem nada; só com a roupa do corpo (cartazes contra a CORRUPÇÃO). Enquanto isso, governadores viajando para Paris e Roma. Prefeitos confraternizando com empreiteiras, cujo assunto seria, talvez, a reconstrução de suas cidades (?). O Congresso fingindo que trabalha de terça a quinta-feira, sem apresentar um projeto, sem aprovar uma lei, fazendo discursos vazios num plenário, muitas vezes, também vazio (cartazes pedindo a REFORMA POLÍTICA). E a Lei da Ficha Limpa?
Em uma tentativa, sem sentido, a presidente usa o espaço governamental da TV para propor cinco passos de resposta às passeatas. Um deles pela “Constituinte Exclusiva” que seria impossível de se realizar, quanto mais de ser proposta. Para resolver o problema da Saúde, acaba com a vida dos médicos. Se eles conseguiram emprego nos grandes centros, onde os hospitais particulares estão equipados, lhes é proposto abandonar estes cargos e irem para o interior, e a única coisa que levariam era o estetoscópio, para curar os doentes sem médicos. Em troca, teriam um abono de dez mil reais; teriam de devolver a quantia recebida, se, ao chegar em seu destino, encontrassem o caos e nada pudessem fazer. Castigo para os médicos desistentes. Ameaçaram contratar estrangeiros sem o revalida, exame de comprovação dos conhecimentos médicos, para exercer a profissão. A quem o governo está querendo enganar? Os médicos? Eles têm curso superior de seis anos, lêem jornais e conversam nas redes sociais. Os estrangeiros? A mídia no exterior também é muito bem informada e divulga tudo o que acontece por aqui. Eu me questiono incessantemente como elegemos e reelegemos esta farsa que se chama Partido dos Trabalhadores. Isto não é um partido, é um grupo das histórias em quadrinhos, de antigamente, chamada de “IRMÃOS METRALHA”.

Petrópolis, 24 de julho de 2013.
Gilda Porto
Enviado por Gilda Porto em 24/07/2013
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras