Retalhos de Gilda

Escrever é um vício.

Textos

Só na eternidade


Ontem à noite saí pelas ruas desertas
À procura de mim.
Encontrei sombras, projetadas
Pela iluminação pública.
Não quero sombras, quero gente
De carne, osso e sentimento.
Sentimento? O que é isso?
Questiono o vento:
Onde está a jovem sonhadora?
Não por estas bandas, ele responde.
E a guerreira e corajosa
Que enfrentou o desconhecido,
Nos confins dos países nórdicos?
Também faz tempo que não tenho notícias dela.
E a sofredora, desiludida do amor?
Qual delas? Existem centenas, milhares, milhões.
Sou tantas assim?
Não só você, mas uma multidão anônima.
Mulheres que amam demais....
Quero saber de mim, juntar os cacos,
As vitórias, os fracassos, as alegrias,
Os encontros e desencontros.
Quero família e amigos ao meu redor.
Juntar na mesma pessoa, a menina, a jovem
E a mulher madura.
A idosa ficaria de fora como observadora.
O vento, que é sábio, pondera:
Satisfazer o seu desejo? Só na eternidade.
Gilda Porto
Enviado por Gilda Porto em 12/07/2013
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras